segunda-feira, 30 de abril de 2012

Acompanhe uma tarde das socialites viúvas de Demóstenes;veja o vídeo

A TV Folha registrou como é uma tarde das viúvas de Demóstenes.As senhorinhas são fruto do movimento "Cansei",que fez coro com a mídia golpista em 2005 ao tentar apear o ex-presidente Lula do poder por meio de um golpe.


Como diz um atento observador político,com essa oposição vindo da burguesia dos Jardins,com certeza,o lulopetismo permanecerá por mais 20 anos no poder.                                                                  


Com Texto Livre: Roteiro de Cinema grampeia o Senador Álvaro Dias, ...

Com Texto Livre: Roteiro de Cinema grampeia o Senador Álvaro Dias, ...: TWITTER              NOME DO ALVO @alvarodias_           ÁLVARO DIAS, LÍDER DO PSDB INTERLOCUTORES ÁLVARO x ROTEIRODECINEMA DATA/...

domingo, 29 de abril de 2012

E agora,Globo?Inquérito cita R$ 100 mil por mês para jornalistas derrubarem Agnelo

Num dos telefonemas gravados na Operação Monte Carlo da Polícia Federal, de fevereiro deste ano, o ex-sargento Dadá diz que o jornalista Mino Pedrosa (ex-assessor de Cachoeira) teria um contrato de R$ 100 mil por mês com Filippelli (vice-governador do Distrito Federal e principal cacique do PMDB-DF) :


"Sombra" citado, remete ao jornalista Edson Sombra, que tem um blog de oposição ao governador petista.


A TV Globo andou investindo nesta linha de derrubar Agnelo.

Há 15 dias atrás, o "Blog da Helena" na Rede Brasil Atual, apontou que o "Jornal Nacional" noticiou de forma inversa aos fatos, e chegou a editar diálogos, transformando-os em monólogos para tirar o contexto da conversa que era favorável à inocência de Agnelo (aqui e aqui).

Agora, com o vazamento do inquérito na internet, merece destaque alguns trechos da conversa de Dadá com Cachoeira, após uma matéria na revista Veja atacando o governador Agnelo:

Após 25 minutos




                                                                                                                                                                   




Paraná passa vergonha nacionalmente

                                                                                                                                                                                   

A famosa frase do governador do Paraná Beto Richa (PSDB) "outra questão é a insubordinação, uma pessoa com curso superior muitas vezes não aceita cumprir ordens de um oficial ou um superior" percorreu todo o Brasil.
O jornalista responsável pela coluna Caixa Zero da Gazeta do Povo, Rogério Galindo, foi o primeiro a fazer ampla divulgação da frase infeliz do governador na rádio CBN, o que segundo ele, no twitter, pela primeira vez um único post do seu blog passou de 50 mil visitas, um novo marco para o Caixa Zero. Foi divulgado pelo twitter e pelo facebook em todo o Brasil. Hoje a Folha de S. Paulo divulgou também o absurdo falado pelo governador (ver post crítico sobre o tema).

Folha de S.Paulo auto-censura matéria com letras garrafais contrária a Beto Richa

                                                                                                                                                                                 

Sim, sou assinante da Folha de S. Paulo desde quando era criança. Recebo a edição nacional impressa da Folha em Curitiba, que fica pronta na madrugada para ser enviada para todo o Brasil, antes da edição distribuída na capital de São Paulo.
A edição nacional da Folha divulgou com letras garrafais a frase infeliz do governador do Paraná Beto Richa (PSDB), que disse que pessoas que têm curso superior se insubordinam, não aceitam cumprir ordens, conforme a imagem acima, na página C3 do caderno Cotidiano.
Eis que, muito estranhamente, a edição digital disponível na internet para assinantes, que também é a edição distribuída em São Paulo, a matéria, antes bastante vistosa e com texto longo, foi diminuída de tamanho e retirada a foto de Beto Richa, conforme imagem abaixo, sendo invertida com a matéria do assalto à casa do jornalista Milton Jung.
A Folha de S. Paulo deve justificar essa ação que poupou o deslize de Beto Richa para milhões de pessoas, principalmente em São Paulo. Beto Richa pretende ser o candidato a vice de Aécio Neves (PSDB) em 2014, nas eleições presidenciais, e perder votos no maior colégio eleitoral do país não seria bom para suas pretensões eleitorais.
Informo que vou encaminhar essa denúncia para o Ombudsman da Folha e para os blogueiros progressistas de todo o país.
                                                                                                                                                                   


via blog do Tarso 

E Veja já tem advogado de defesa dentro da CPI


Veja aqui o que o Partido da Imprensa Golpista (PIG) não mostra!

Será que é por isso que Monica Bergamo diz que Cachoeira gargalhou quando viu a lista dos nobres senadores e deputados que comporão a CPI? 




Veja tenta se defender atacando “discurso anti-imprensa”

Marco Aurélio Weissheimer, Carta Maior


Neste final de semana, a Veja socorreu-se do senador Álvaro Dias (PSDB-PR), para quem o “discurso anti-imprensa” teria perdido força com o vazamento do inquérito da operação Monte Carlo, que é quase comemorado pela publicação. Revista seleciona um trecho de uma conversa que supostamente a favoreceria e omite vários outros onde Carlinos Cachoeira parece ter uma insólita influência dentro da redação. As duas últimas capas da publicação, sobre homens altos e mulheres executivas, expõem desconforto editorial com o caso.

A revista Veja não consegue esconder seu desconforto, com a profusão e a natureza das citações que vem recebendo nas conversas interceptadas pela polícia com autorização judicial no curso das investigações lideradas pelo bicheiro Carlinhos Cachoeira. As conversas e as citações indicam que Cachoeira parecia ter uma insólita influência dentro da redação da revista.

As duas últimas capas da publicação materializam o desconforto: na semana passada, uma antológica “reportagem” sobre as virtudes de ser alto; nesta, outra capa morna com as “lições das chefonas”, um perfil sobre executivas de grandes empresas. Na parte superior da capa, uma pequena chamada, em tom ameaçador, diz que Cachoeira pode “contar tudo o que sabe”. Em outros tempos (recentes), esta seria o destaque de capa. Por alguma razão não é, assim como não foi na semana anterior.

“Vamo detona aquele trem na Veja”, “vou dar (um documento) pro Policarpo. Policarpo vai detonar aquela associação, entendeu (…) Na quarta-feira conforme for a gente senta com o Policarpo”. Esses são trechos de uma conversa travada no dia 6 de junho de 2011, entre Carlinhos Cachoeira e um a pessoa ligada a ele chamada Claudio. “Policarpo” seria Policarpo Júnior, editor chefe da revista Veja em Brasília. Há vários trechos de conversas onde Carlinhos Cachoeira ou pessoas próximas a ele afirmam ter influência direta na definição de pautas da publicação da editora Abril.

Neste final de semana, a Veja socorreu-se do senador Álvaro Dias (PSDB-PR), para quem o “discurso anti-imprensa” teria perdido força com o vazamento do inquérito da operação Monte Carlo. “O vazamento do inquérito da operação Monte Carlo comprova que o suposto conluio entre a imprensa e a quadrilha do contraventor Carlinhos Cachoeira nunca passou de uma invenção de grupos hostis à liberdade de expressão – o que inclui setores do PT e seus aliados. A íntegra das investigações reforça o óbvio: o jornalismo investigativo cumpriu o seu papel sem se sujeitar à máfia”, diz a revista quase que comemorando o vazamento.

A interpretação da Veja é um tanto fantasiosa e agarra-se fundamentalmente a um dos trechos interceptados pela Polícia Federal, onde o senador Demóstenes Torres diz a Cachoeira que tentará “esvaziar os efeitos de uma reportagem de Veja sobre a empresa Delta, publicada há cerca de um ano”. As demais (e numerosas) referências à revista e a Policarpo são simplesmente ignoradas. Álvaro Dias diz que o “discurso anti-imprensa” perdeu força e não se fala mais no assunto. Essa é a ideia apresentada pelo site da revista neste sábado.

O “discurso anti-imprensa” ao qual Veja se refere resume-se na verdade à ela própria e ao suposto envolvimento de funcionários da empresa com o bicheiro Carlinhos Cachoeira. O restante da chamada “grande imprensa” até aqui mantém ruidoso silêncio sobre o caso.

Sintonia fina

Demóstenes,Dadá e revista Veja tentaram destruir Agnelo Queiroz

Novos diálogos do inquérito Monte Carlo revelam ação coordenada do senador Demóstenes Torres para pressionar o governador do Distrito Federal a agir em defesa dos interesses da empreiteira Delta.Caso contrário,haveria mais denúncias na Veja para provocar o impeachment.
 Graças ao trabalho do jornalista Luiz Carlos Azenha do blog  Viomundo,novas peças do quebra-cabeças da Operação Monte Carlo começam a se encaixar.


Azenha garimpou informações relevantes para a compreensão da crise política no Distrito Federal,a partir de diálogos recentemente vazados com as colaborações de Limpinho&Cheiroso  Brasil 247.

Em 28 de janeiro deste ano,Veja publicou uma reportagem chamada " O PT na Caixa de Pandora",apontando que o governador Agnelo Queiroz teria agido para derrubar o antecessor José Arruda.


Um dos personagens citados na reportagem era o senador Demóstenes Torres,que aparentemente pautava a sucursal brasiliense da revista Veja.Ouvido pela revista,o parlamentar goiano declarou que Agnelo teria agido de forma criminosa.

Leia mais:

Os diálogos da Operação Monte Carlo,no entanto,revelam que Demóstenes não se pautava pela ética,mas sim pelos interesses comerciais da construtora Delta.


Num dos grampos,de 30 de janeiro deste ano,Dadá comenta com um interlocutor identificado como Andrezinho que Demóstenes só sentaria com Agnelo para poupá-lo de novas denúncias na revista Veja se seus interesses (da Delta) fossem atendidos.


No mesmo dia,Dadá fala também com Carlinhos Cachoeira,que é explícito na pergunta: "Agora ele caiu?"Ou seja: fica claro que o contraventor,sócio da Delta,trabalhou,em conluio com a revista Veja,pela queda do governador do Distrito Federal.


Depois disso,no mesmo dia,há um novo diálogo entre Cachoeira e o diretor da Delta,Claudio Abreu."Arrebentou,hein,o bicho arrebentou,hein",diz Abreu."Foi bom demais",responde Cachoeira.


Antes de desligar,Abreu revela ter orientado o jornalista Policarpo Júnior,de Veja.


via Pragmatismo Político

Ayres Brito e o mensalão: não será um linchamento | Conversa Afiada

Ayres Brito e o mensalão: não será um linchamento | Conversa Afiada

sábado, 28 de abril de 2012

Veja nomeia senador (BOTOX) Álvaro Dias como seu porta-voz

                                                                                                                                                                 

Site da Abril diz que divulgação do relatório derruba a tese do conluio entre a quadrilha de Cachoeira e a revista Veja, amparando-se no senador tucano; não é piada



Aparentemente, os editores de Veja não leram o inquérito divulgado pelo 247 sobre a Operação Monte Carlo. 
Ou o fizeram de forma apressada. No site de Veja, a principal matéria informa que o “discurso anti-imprensa perde força”, ancorando-se em declaração do senador Álvaro Dias, transformado em porta-voz informal da empresa. 

De acordo com Veja, grupos hostis à liberdade de expressão estariam dispostos a colocar em risco o jornalismo investigativo. Não, Roberto Civita. Não, Fábio Barbosa. 

Não se trata de jornalismo investigativo, mas de jornalismo que mereça ser investigado – como no caso da invasão do Hotel Naoum para colocar fogo na República, a pedido de um bicheiro. Leia, abaixo, o texto de Veja:

Discurso anti-imprensa 'perde força', diz Alvaro Dias
Vazamento do inquérito da operação Monte Carlo derruba tese dos que pretendiam usar a CPI do Cachoeira para atacar o jornalismo investigativo


O vazamento do inquérito da operação Monte Carlo comprova que o suposto conluio entre a imprensa e a quadrilha do contraventor Carlinhos Cachoeira nunca passou de uma invenção de grupos hostis à liberdade de expressão – o que inclui setores do PT e seus aliados. A íntegra das investigações reforça o óbvio: o jornalismo investigativo cumpriu o seu papel sem se sujeitar à máfia.

Em um dos trechos interceptados pela Polícia Federal, o senador Demóstenes Torres diz a Cachoeira que tentará esvaziar os efeitos de uma reportagem de VEJA sobre a empresa Delta, publicada há cerca de um ano. O senador diz que o assunto vai esquentar no Congresso. Afirma que alguns colegas, como Alvaro Dias (PSDB-PR), já tentavam levar os representantes da construtora para falar ao Congresso.

O trecho revela que a quadrilha e seu mais fiel aliado político foram atingidos pela denúncia contra a companhia, que atuava como um braço da máfia, e tentaram minimizar o estrago e esvaziar o discurso da própria oposição. Em uma segunda conversa, dias depois, Demóstenes afirma ter cumprido o objetivo. Eis a transcricão feita pela Polícia Federal: "Ah num deu em nada não cê viu né? Eu arrumei um… uma maneira de fragilizar o discurso".

O senador Alvaro Dias afirmou neste sábado ao site de VEJA que as revelações do inquérito devem amenizar o ímpeto dos parlamentares que pretendiam usar a CPI do Cachoeira para agredir a imprensa: "Agora esse discurso perde força. Mas que houve uma tentativa de avançar sobre a imprensa, houve". Ele chama de "fascista" a ofensiva sobre os meios de comunicação e diz que a explicação para o rancor está clara: "São os adeptdos do mensalão tentando se vingar dos algozes deles".

Líder do PPS na Câmara, Rubens Bueno (PR) também acredita que o vazamento do inquérito deve colaborar para desmoralizar o discurso anti-imprensa. "Da nossa parte, isso não vai prosperar. É um vezo autoritário, uma tentativa de constranger o jornalismo investigativo", afirma. O parlamentar diz que os ataques aos meios de comunicação são uma tentativa de tirar o foco do essencial: as ramificações políticas da quadrilha de Cachoeira.

Jogo duplo – Na conversa com o contraventor, Demóstenes revelou preocupação com a cobrança feita pelos oposicionistas depois da reportagem de VEJA: "Estou te ligando por isso, avisar o pessoal que está todo mundo em cima, Alvaro Dias, não sei que..."

Mencionado na conversa, o senador Alvaro Dias conta que, na época, a estratégia de Demóstenes não ficou clara. Mas ele diz ter notado, mais de uma vez, um comportamento intrigante no colega: "Ele avançava e recuava. Batia onde podia e recuava em outras situações. Agora é que a gente começa a entender", diz ele.


Sintonia Fina
- 247

MP pede exoneração de mais de 150 comissionados

VEJAM QUE INTERESSANTE!A tal Sociedade Eticamente Responsável e o Observatório Social de Maringá-entidades que em tese deveriam fiscalizar e cobrar transparência e ética,tinham na Secretaria de Controle Interno,dentro da própria prefeitura,comandada por essas entidades,vários funcionários comissionados.Essas entidades ainda participaram da passeata contra a corrupção...Realmente temos muitos "Demóstenes Torres" em Maringá!
Parece piada,mas não é!
Como diz Caetano Veloso em uma de suas músicas: "ALGUMA COISA ESTÁ FORA DA ORDEM".    

Tucanos promovem congresso sindical com ajuda dos patrões

Parece piada-e é!


Em São Paulo,o PSDB só conseguiu realizar ontem o seu primeiro congresso sindical,com o objetivo de aproximar o partido dos trabalhadores,com a ajuda providencial dos patrões.
Segundo os jornais de lá,para lotar o evento os donos de construtoras e empreiteiras do estado deram uma forcinha indispensável.
"Cada patrão mandou dez funcionários para cá.A gente tem que ficar até o fim [do evento] e levar o comprovante de que veio para não descontar o dia de trabalho".contou à Folha de São Paulo um dos participantes no evento.
José Serra,Sérgio Guerra,Aécio Neves e Geraldo Alckmin,principais caciques tucanos participaram da farsa.
Serra até insuflou a turma para uma 'primeira tarefa".Segundo o jornal O Estado de São Paulo,pediu a mobilização dos "nossos sindicatos para a campanha eleitoral deste ano".
Uma piada,Claro!
Mico.
http:www.nominuto.com/blog/brasilia-urgente/
Segundo a matéria da Folha de São Paulo:Todos os participantes receberam lanche-sanduíche de queijo,suco,biscoito e maçã.


via Blog da Dilma 

Como o Partido da Imprensa Golpista (PIG) manipula você

Nas manchetes de hoje,os temas preferidos dos barões da mídia: deleitar-se com "derrota" de Dilma e fuxicar discórdia dela com Lula.



sexta-feira, 27 de abril de 2012

Canadá receberá 12 mil bolsistas brasileiros em suas universidades

Terça-feira, 24 de abril de 2012 - 19:16 Tweet - divulgue esta matéria no twitter O Canadá receberá 12 mil bolsistas do Programa Ciência sem Fronteiras. As bolsas são para cursos de graduação, doutorado e pós-doutorado. O anúncio da parceria foi feito pela presidenta da República, Dilma Rousseff, e pelo governador-geral daquele país, David Johnston, na tarde desta terça-feira, 24, no Palácio do Planalto. O Canadá é hoje o país mais procurado por jovens brasileiros que pretendem aperfeiçoar a língua inglesa e o segundo, atrás apenas da França, para aqueles que buscam o francês como segundo idioma. Com a nova parceria, o Canadá passa a ser o país que receberá, individualmente, mais bolsistas. Ao anunciar as vagas para bolsistas, David Johnston reconheceu a importância do programa Ciência sem Fronteiras para o crescimento do país. “Estou realmente impressionado com o seu Ciência sem Fronteiras, porque educação, inovação e desenvolvimento o são os pilares da sociedade”, disse o governador-geral. O acordo com os canadenses, além de promover a formação de cientistas, também oferecerá aos estudantes a oportunidade de se integrarem em estágios em empresas e laboratórios canadenses. Dilma destacou também a parceria do Canadá na composição do programa Mulheres Mil, que atende mulheres em situação de vulnerabilidade social por meio da formação profissional aliada à elevação de escolaridade. O modelo se baseia na experiência canadense. “O Canadá é um parceiro que nos fornece a tecnologia de um programa que nós consideramos muito importante, o Mulheres Mil. Esse projeto de formação e capacitação de mulheres é estratégico em um país como o nosso”, disse Dilma. Este ano o Mulheres Mil deve formar 20 mil mulheres em 101 institutos federais. Diego Rocha

Globo,Folha e Abril ameaçam governo Dilma em caso de CPI da Mídia

Principais grupos de comunicação fecham pacto de não agressão e transmitem ao planalto a mensagem de que pretendem retaliar o governo se houver qualquer convocação de jornalistas ou de empresários do setor. Porta-voz do grupo na comissão é o deputado Miro Teixeira. Na Inglaterra, um país livre, o magnata Rupert Murdoch depôs ontem Há exatamente uma semana, o executivo Fábio Barbosa, presidente do grupo Abril e ex-presidente da Febraban, foi a Brasília com uma missão: impedir a convocação do chefe Roberto Civita pela CPI sobre as atividades de Carlos Cachoeira. Jeitoso e muito querido em Brasília, Barbosa foi bem-sucedido, até agora. Dos mais de 170 requerimentos já apresentados, não constam o nome de Civita nem do jornalista Policarpo Júnior, ponto de ligação entre a revista Veja e o contraventor Carlos Cachoeira. O silêncio do PT em relação ao tema também impressiona. O Brasil se vê hoje diante de uma encruzilhada: ou opta pela liberdade ou se submete ao coronelismo midiático. Surgem, aos poucos, novas informações sobre o engavetamento da chamada “CPI da Veja” ou “CPI da mídia”. João Roberto Marinho, da Globo, fez chegar ao Palácio do Planalto a mensagem de que o governo seria retaliado se fossem convocados jornalistas ou empresários de comunicação. Otávio Frias Filho, da Folha de S. Paulo, também aderiu ao pacto de não agressão. E este grupo já tem até um representante na CPI. Trata-se do deputado Miro Teixeira (PDT-RJ). Leia mais Na edição de hoje da Folha, há até uma nota emblemática na coluna Painel, da jornalista Vera Magalhães. Chama-se “Vacina” e diz o que segue abaixo: “O deputado Miro Teixeira (PDT-RJ) vai argumentar na CPI, com base no artigo 207 do Código de Processo Penal, que é vedado o depoimento de testemunha que por ofício tenha de manter sigilo, como jornalistas. O PT tenta levar parte da mídia para o foco da investigação”. O argumento de Miro Teixeira é o de que jornalistas não poderão ser forçados a quebrar o sigilo da fonte, uma garantia constitucional. Ocorre que este sigilo já foi quebrado pelas investigações da Polícia Federal, que revelaram mais de 200 ligações entre Policarpo Júnior e Carlos Cachoeira. Além disso, vários países discutem se o sigilo da fonte pode ser usado como biombo para a proteção de crimes, como a realização de grampos ilegais. Inglaterra, um país livre Pessoas que acompanham o caso de perto estão convencidas de que Civita e Policarpo só serão convocados se algum veículo da mídia tradicional decidir publicar detalhes do relacionamento entre Veja e Cachoeira. Avalia-se, nos grandes veículos, que a chamada blogosfera ainda não tem força suficiente para mover a opinião pública e pressionar os parlamentares. Talvez seja verdade, mas, dias atrás, a hashtag #vejabandida se tornou o assunto mais comentado do Twitter no mundo. Um indício do pacto de não agressão diz respeito à forma como veículos tradicionais de comunicação noticiaram nesta manhã o depoimento de Rupert Murdoch, no parlamento inglês. Sim, Murdoch foi forçado a depor numa CPI na Inglaterra para se explicar sobre a prática de grampos ilegais publicados pelo jornal News of the World. Nenhum jornalista, nem mesmo funcionário de Murdoch, levantou argumentos de um possível cerceamento à liberdade de expressão. Afinal, como todos sabem, a Inglaterra é um país livre. O Brasil se vê hoje diante de uma encruzilhada: ou opta pela liberdade ou se submete ao coronelismo midiático. Brasil 247

STF aprova Cotas e desagrada o reacionário Boris Casoy

...aquele Casoy,do alto de sua tribuna,o do Brasil 'escravocrata' (SIC),o mais baixo da escala do jornalismo

A Privataria Tucana vai virar jornal para alcançar mais público

O livro A Privataria Tucana, lançado no final de 2011 e que já vendeu mais de 120 mil exemplares, vai virar jornal. A obra relata o funcionamento da lavagem de dinheiro no Brasil e as privatizações durante o governo Fernando Henrique Cardoso (1995-2002). Entre os principais articuladores do esquema, aparece o político José Serra (PSDB). Para que o livro se transforme em uma edição especial do jornal Brasil de Fato, uma campanha está sendo feita para a arrecadação financeira. O jornal, com tiragem de um milhão de exemplares, irá trazer alguns trechos do livro e reportagens sobre o tema. O autor de A Privataria Tucana, Amaury Ribeiro Jr., em entrevista à Radioagência NP, explica qual é o principal assunto abordado no livro. “O elemento central da obra, embora ela fale sobre propinas nas privatizações, aborda de forma geral a questão da lavagem de dinheiro e do combate da lavagem de dinheiro no mundo todo.” A justificativa para a produção de um jornal é que o preço do livro, cerca de R$ 30, não é acessível a boa parte da população, e que sua distribuição não chega a todas as cidades do país. Outro objetivo é pressionar por uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Privataria. Até o momento, foram arrecadados R$ 30 mil. Para conferir a prestação de contas e fazer doações para a edição especial de A Privataria Tucana, acesse o site www.brasildefato.com.br. Sindicatos e grupos organizados também podem aderir à campanha. O prazo para doações é até o final do mês de abril.Fonte: Radioagência NP.

Rádio BandNews Curitiba poupa besteira que Beto Richa falou.CBN divulga "pérola" do governador

                                                                                                                                                                               

O governador Beto Richa (PSDB) acha positivo que os policiais militares do estado não tenham diploma de curso superior, porque “gente formada normalmente é muito insubordinada e não aceita cumprir ordens de um oficial ou um superior, uma patente maior”. Quem divulgou essa “pérola” do governador foi a rádio CBN Curitiba, ouça aqui.
A rádio BandNews estranhamente apenas divulgou que Beto Richa é contra a exigência de curso superior porque isso “afastaria os jovens”, ouça aqui. O que está acontecendo com a BandNews? A Joice Hasselmann saiu da emissora porque ela virou chapa-branca do governador tucano ou virou chapa-branca porque a Joice Hasselmann saiu?
As duas emissoras de rádio são do empresário Joel Malucelli, mas estranhamente a BandNews está ainda mais governista. Não está na hora de surgir uma terceira emissora de rádio na FM curitibana para acabar com o monopólio?
via blog do Tarso

Richa não quer PMs com estudo eles "se insubordinariam"

O governador Beto Richa (PSDB) disse em entrevista à rádio CBN, nesta quinta-feira, que acha positivo que os policiais militares do estado não tenham diploma de curso superior. A polêmica entre o governo e as associações que representam os policiais militares, que queriam que o governo passasse a exigir diploma dos que entram na corporação. Segundo Richa, é bom que os policiais não tenham diploma, porque gente formada normalmente é muito insubordinada. "Outra questão é de insubordinação também, uma pessoa com curso superior muitas vezes não aceita cumprir ordens de um oficial ou um superior, uma patente maior", afirmou o governador. A declaração do governador é um desestímulo à educação e à cultura dentro da corporação. Nitidamente, o que Richa defende, em sua declaração, é que a PM dê preferência a pessoas que não estudem. Além de tudo, mostra uma miopia em relação à realidade do mundo. Como se pessoas sem estudo superior não pudessem ser contestadoras ou insubordinadas (pela versão de Richa, as greves comandadas por Lula no ABC nunca existiram). A função do Estado é estimular o estudo, e não o contrário. Mais do que isso: o governador não deveria desejar uma corporação de gente que simplesmente atende ordens cegamente, como ele parece querer. E, sim, fomentar um ambiente em que as pessoas sejam capazes de autonomia. Richa poderia, sem nenhum problema, defender que não é preciso diploma para ser policial. Mas com outros argumentos. VIA GAZETA DO POVO

Redução de salários dos vereadores e prefeito deve ser votado dia 8 de maio

O projeto da Comissão de Finanças e Orçamento da Câmara Municipal que reduz os salários dos vereadores da legislatura 2013 foi adiado para o dia 8 de maio. A proposta ainda não foi para o plenário pois não houve consenso sobre os valores. O vereador Belino Bravin (PP) reforçou que serão apresentadas três emendas: um deles diminui o salário dos vereadores de R$ 12 mil para R$ 3 mil, e outro para R$ 6,5 mil e há ainda uma proposta de R$ 9,4 mil. Vereadores de Maringá aprovam projeto que aumenta salário para R$ 12 mil "Mas não posso dizer quem vai apresentar essas emendas. Agora, se no dia 8 de maio não entrar, o projeto entrará em regime de urgência na sessão seguinte", acrescentou. "Existe, aparentemente, um consenso entre aqueles que vão apresentar emenda com um subsídio de R$ 9,4 mil. Agora, se isso vai vingar eu não sei. Sei que vamos apresentar um projeto de R$ 8 mil e a gente está na expectativa que realmente se fixe o valor da comissão ou aquilo que vão apresentar como emenda do projeto", disse.

quinta-feira, 26 de abril de 2012

Veja os deputados federais do Paraná que votaram junto com a bancada ruralista pelo desmatamento

A bancada ruralista da Câmara dos Deputados, que prega a produção agrícola com devastação das nossas florestas, conseguiu aprovar o texto-base do projeto de reforma do Código Florestal Brasileiro ontem (25), nos termos do relatório do deputado Paulo Piau (PMDB-MG), contra a proposta do governo Dilma Rousseff (PT) e dos ambientalistas aprovada no Senado. Foram 274 votos ruralistas e 184 votos ambientalistas. Dilma ainda pode vetar os absurdos ruralistas do Código Florestal. A proposta dos ruralistas, aprovada ontem, tem os seguintes absurdos: 1. As margens dos rios são APPs - áreas de preservação permanente. Nos ríos com mais de 10 metros de largura, os ruralistas que devastaram não vão precisar reflorestar com vegetação nativa uma faixa de 15 metros. 2. O cadastro ambiental rural - CAR, onde toda propriedade rural terá que se inscrever, não terá seus dados divulgados na internet. 3. Não será proibido que instituições financeiras concedam crédito agrícola aos ruralistas que não se inscrevam no CAR. 4. Não haverá obrigatoriedade de recompor 30 metros de mata em torno de olhos d'água nas áreas de preservação permanente ocupadas por atividades rurais consolidadas até 28/07/2008. Entre outros absurdos contrários às nossas florestas. Pense bem na próxima vez que votar em algum deputado federal! Veja a lista dos deputados federais do Paraná que votaram a favor da proposta dos ruralista, pela devastação das florestas, contra os ambientalistas: Abelardo Lupion (DEMO) Luiz Carlos Setim (DEMO) Hermes Parcianello (PMDB) João Arruda (PMDB) Odílio Balbinotti (PMDB) Osmar Serraglio (PMDB) Cida Borghetti (PP) Dilceu Sperafico (PP) Nelson Meurer (PP) Sandro Alex (PPS) Giacobo (PR) Leopoldo Meyer (PSB) Edmar Arruda (PSC) Nelson Padovani (PSC) Ratinho Junior (PSC) Reinhold Stephanes (PSD) Alfredo Kaefer (PSDB) Fernando Francischini (PSB) Luiz Nishimori (PSDB) Alex Canziani (PTB) Veja a lista dos deputados federais do Paraná que votaram a favor da proposta da presidenta Dilma Rousseff e dos ambientalistas, contra a devastação de nossas florestas: André Vargas (PT) Angelo Vanhoni PT) Assis do Couto (PT) Dr. Rosinha (PT) Rosane Ferreira (PV) Rubens Bueno (PPS)

Globo,Abril e Folha se unem contra a CPI da mídia

PRINCIPAIS GRUPOS DE COMUNICAÇÃO FECHAM PACTO DE NÃO AGRESSÃO E TRANSMITEM AO PLANALTO A MENSAGEM DE QUE PRETENDEM RETALIAR O GOVERNO SE HOUVER QUALQUER CONVOCAÇÃO DE JORNALISTAS OU DE EMPRESÁRIOS DO SETOR; PORTA-VOZ DO GRUPO NA COMISSÃO É O DEPUTADO MIRO TEIXEIRA; NA INGLATERRA, UM PAÍS LIVRE, O MAGNATA RUPERT MURDOCH DEPÔS ONTEM 26 de Abril de 2012 às 13:20 247 – Há exatamente uma semana, o 247 revelou com exclusividade que o executivo Fábio Barbosa, presidente do grupo Abril e ex-presidente da Febraban, foi a Brasília com uma missão: impedir a convocação do chefe Roberto Civita pela CPI sobre as atividades de Carlos Cachoeira. Jeitoso e muito querido em Brasília, Barbosa foi bem-sucedido, até agora. Dos mais de 170 requerimentos já apresentados, não constam o nome de Civita nem do jornalista Policarpo Júnior, ponto de ligação entre a revista Veja e o contraventor Carlos Cachoeira. O silêncio do PT em relação ao tema também impressiona. Surgem, aos poucos, novas informações sobre o engavetamento da chamada “CPI da Veja” ou “CPI da mídia”. João Roberto Marinho, da Globo, fez chegar ao Palácio do Planalto a mensagem de que o governo seria retaliado se fossem convocados jornalistas ou empresários de comunicação. Otávio Frias Filho, da Folha de S. Paulo, também aderiu ao pacto de não agressão. E este grupo já tem até um representante na CPI. Trata-se do deputado Miro Teixeira (PDT-RJ). Na edição de hoje da Folha, há até uma nota emblemática na coluna Painel, da jornalista Vera Magalhães. Chama-se “Vacina” e diz o que segue abaixo: “O deputado Miro Teixeira (PDT-RJ) vai argumentar na CPI, com base no artigo 207 do Código de Processo Penal, que é vedado o depoimento de testemunha que por ofício tenha de manter sigilo, como jornalistas. O PT tenta levar parte da mídia para o foco da investigação”. O argumento de Miro Teixeira é o de que jornalistas não poderão ser forçados a quebrar o sigilo da fonte, uma garantia constitucional. Ocorre que este sigilo já foi quebrado pelas investigações da Polícia Federal, que revelaram mais de 200 ligações entre Policarpo Júnior e Carlos Cachoeira. Além disso, vários países discutem se o sigilo da fonte pode ser usado como biombo para a proteção de crimes, como a realização de grampos ilegais. Inglaterra, um país livre Pessoas que acompanham o caso de perto estão convencidas de que Civita e Policarpo só serão convocados se algum veículo da mídia tradicional decidir publicar detalhes do relacionamento entre Veja e Cachoeira. Avalia-se, nos grandes veículos, que a chamada blogosfera ainda não tem força suficiente para mover a opinião pública e pressionar os parlamentares. Talvez seja verdade, mas, dias atrás, a hashtag #vejabandida se tornou o assunto mais comentado do Twitter no mundo. Um indício do pacto de não agressão diz respeito à forma como veículos tradicionais de comunicação noticiaram nesta manhã o depoimento de Rupert Murdoch, no parlamento inglês. Sim, Murdoch foi forçado a depor numa CPI na Inglaterra – não na Venezuela – para se explicar sobre a prática de grampos ilegais publicados pelo jornal News of the World. Nenhum jornalista, nem mesmo funcionário de Murdoch, levantou argumentos de um possível cerceamento à liberdade de expressão. Afinal, como todos sabem, a Inglaterra é um país livre. O Brasil se vê hoje diante de uma encruzilhada: ou opta pela liberdade ou se submete ao coronelismo midiático.VIA BRASIL 247

Salário mínimo regional: Emenda de deputados da base de apoio do governo Beto Richa é traição,diz CUT

O Conselho Estadual do Trabalho, órgão paritário composto por goveno, empresários e trabalhadores, propôs um anteprojeto de lei do que reajusta em 10,32% o salário mínimo regional. Mas os deputados estaduais aliados do governo Beto Richa (PSDB) fizeram emenda que retira do texto a previsão de um aumento real de 5,1% para 2013, o que irritou as centrais sindicais, que acusam o governo de traição. Pressionados pelos empresários, os deputados que fazem o jogo do grande capital apresentaram a emenda. O secretário estadual do Trabalho, Luiz Claudio Romanelli disse que o governo mantém a proposta do Conselho. Mas declarações de Roma­nelli não convenceram o presidente da Central Única dos Trabalhadores no Paraná - CUT/PR, Roni Barbosa, que disse para a Gazeta do Povo: “Esperamos que o governo honre sua palavra e que o projeto seja aprovado. (...) É lamentável essa postura de dubiedade em relação aos projetos de interesse dos trabalhadores. Se a emenda passar, será um ato de traição às vésperas do 1.º de maio”. O "sabonete" líder do governo na Assembleia, deputado Ademar Traiano (PSDB), não sabe o que fazer.VIA BLOG DO TARSO

NOTÍCIAS DE CACHOEIRA VIRA ENXURRADA...Ditadura fajuta,conspiração,bingos,Delta,Cachoeira,prisão...

Defesa de Demóstenes fala em 'ditadura dos grampos'.
EM DOCUMENTO ENTREGUE HOJE NO CONSELHO DE ÉTICA,ADVOGADO PEDE O ARQUIVAMENTO DO PROCESSO CONTRA O PARLAMENTAR E DEFENDE QUE HOUVE MANIPULAÇÃO EM GRAVAÇÕES DA PF QUE LIGAM DEMÓSTENES TORRES A CARLINHOS CACHOEIRA.
25 de abril de 2012 às 22:40
O advogado de defesa do senador Demóstenes Torres (sem partido-GO),Antônio Carlos Castro,entregou a defesa prévia do parlamentar ao Conselho de Ética do Senado nesta quarta-feira.No documento de 61 páginas,o advogado apresenta argumentos para pedir o arquivamento do processo disciplinar contra o senador."A defesa tem uma base evidentemente jurídica na qual levantamos pontos em que o processo fosse arquivado nesse momento",disse Almeida Castro.


via A Justiceira   

Jornal Nacional apresenta relator da CPI,Odair Cunha (PT-MG),como sendo do PSDB


Uma reunião da bancada do PT na Câmara escolheu, na manhã desta terça-feira (24), o deputado Odair Cunha (PT-MG) para ser o relator da CPI do Cachoeira, que investigará um suposto esquema criado pelo bicheiro. Cunha é vice-líder do governo na Câmara e ligado à ministra de Relações Institucionais, Ideli Salvatti. Os outros petistas candidatos ao posto eram os deputados Cândido Vaccarezza, ex-líder do governo na Casa, e Paulo Teixeira, ex-líder da bancada na Câmara. O partido, último a anunciar os nomes para a CPI mista (que incluirá senadores) escolheu Vaccarezza e Paulo como membros titulares da comissão, além de três suplentes, Doutor Rosinha (PT-PR), Luiz Sérgio (PT-RJ) e Sibá Machado (PT-AC). O objetivo da comissão é investigar os negócios de Cachoeira com parlamentares, autoridades e empresas públicas e privadas envolvidas nas operações Vegas e Monte Carlo da Polícia Federal. Cachoeira foi preso em 29 de fevereiro durante a Operação Monte Carlo. O empresário, que estava no presídio federal de Mossoró (RN), foi transferido para o complexo penitenciário da Papuda, em Brasília, após decisão judicial. A presidente em exercício do Congresso, deputada Rose de Freitas (PMDB-ES), convocou para hoje, às 19h30, sessão conjunta da Câmara e do Senado para o anúncio oficial dos membros da CPI. Depois da sessão, a comissão já poderá ser instalada, o que está previsto para a próxima quarta-feira (25), quando serão eleitos o presidente e o vice-presidente da CPI e nomeado o relator. Por ter a maior bancada no Senado, o PMDB tem direito à presidência da comissão e já indicou o senador Vital do Rêgo (PMDB-PB) para o cargo.

quarta-feira, 25 de abril de 2012

Maringá vai receber ônibus para pessoas com necessidades especiais

Maringá está entre os municípios paranaenses contemplados pelo Governo Federal para a aquisição de ônibus para o transporte escolar destinado a pessoas portadoras de necessidades especiais. As cidades selecionadas foram divulgadas nesta terça-feira, 24, pelo Ministério da Educação. A cidade ira receber dois veículos, que irão garantir condições de acesso e a permanência na escola e universidades de portadores de necessidades especiais. De acordo com o MEC, a falta de transporte acessível é um dos principais motivos para o não acesso das pessoas com deficiência à escola. O deputado estadual Enio Verri (PT) destacou a importância da medida. Para ele, o benefício confirma que o Governo Federal está em sintonia com as necessidades do município e empenhado em atender com agilidade e eficiência as solicitações de seus representantes. “A medida reforça a consolidação de uma das prioridades do governo da presidenta Dilma, que é garantir o acesso a educação para todos os brasileiros. Com os ônibus, as pessoas com necessidades especiais terão transporte adequado às suas condições.” Os veículos serão repassados ao município por meio do programa BPC na Escola – Programa de Acompanhamento e Monitoramento do Acesso e Permanência na Escola das Pessoas com Deficiência, beneficiárias do Benefício de Prestação Continuada da Assistência Social. De acordo com o MEC, no Sul do Brasil, 23% das pessoas com necessidades especiais estão fora da escola. Os ônibus foram viabilizados por Verri em parceria com o deputado federal André Vargas.

Beto Richa escolhe cunhado de Jaime Lerner para cargo de presidente do Conselho de Administração do Paraná

O governador do Paraná, Beto Richa (PSDB), mostrando que é “unha-e-carne” com o ex-governador Jaime Lerner (DEMO), nomeou o ex-conselheiro do Tribunal de Contas Henrique Naigeboren como novo presidente do Conselho de Administração da ParanaPrevidência. Naigeboren é cunhado de Lerner e foi indicado pelo ex-governador para o TC.VIA BLOG DO TARSO

terça-feira, 24 de abril de 2012

No Paraná os blogueiros são censurados...no Maranhão assassinados!

                                                                                                                                                                                     
O jornalista e blogueiro do Maranhão,Décio Sá,foi executado a tiros,na noite dessa segunda-feira (23),na avenida Litorânea,em São Luís,com seis tiros,disparados por um homem que estava numa moto.Décio Sá era repórter de política do estado do Maranhão e autor de um dos blogs mais acessados do Maranhão.


Espero que a moda não pegue no Paraná.Aqui,por enquanto,os blogueiros são censurados!


via blog do Tarso   

segunda-feira, 23 de abril de 2012

Parada Gay e Marcha para Jesus no mesmo final de semana em Maringá

Em março, primeiro "beijaço" gay criticou a prefeitura maringaense A Parada Gay de Maringá, que será realizada no dia 20 de maio (domingo), não será a única manifestação social a ocorrer naquele fim de semana na cidade. Uma projeto de lei complementar, de autoria do vereador Flávio Vicente (PSDB), aprovado na sessão da última quinta-feira (19), determina que a Marcha para Jesus seja incluída no calendário oficial do Município no terceiro sábado de maio. Este ano a data cairá no dia 19, um dia antes da primeira edição da parada maringaense. O projeto, que entrou em votação em regime de urgência, inicialmente causou polêmica entre a comunidade LGBT (Lésbicas, gays, bissexuais e transexuais). Isso porque 17 de maio marca o Dia Nacional de Combate à Homofobia, com diversas manifestações durante toda a semana. O presidente da Ordem dos Pastores Evangélicos de Maringá (Opem), Nilton Tuller, que pediu para que o projeto fosse enviado à Câmara, afirmou que a proximidade de datas é uma coincidência. “Já ocorreram outras marchas para Jesus em Maringá, mas esta será a primeira vez que a realizaremos no terceiro sábado de maio. Não houve intenção de polemizar com os homossexuais, o que aconteceu foi uma coincidência. Existe uma lei estadual que estabelece o dia da marcha em todo Paraná. Queremos que a nossa aconteça junto com a manifestação cristã em Curitiba”, afirma. O pastor diz que, apesar dos evangélicos não concordarem com o posicionamento sexual dos manifestantes da LGBT, eles respeitam o direito de expressão de todos. “Cada um faz a sua parada e luta pelos ideais que achar correto, isso é democracia”, diz. Um dos organizadores da Parada Gay de Maringá Luiz Modesto, diz apoiar todas as manifestações sociais. “Se for apenas coincidência, acho ótimo! Espero que eles atinjam o objetivo deles, assim como queremos atingir o nosso, que é disseminar o respeito”, fala. Modesto convida a todos os cristãos a participarem da Parada Gay. “Assim como estabelecemos um diálogo com a Arquidiocese de Maringá – que se mostrou contrária à violência contra os gays e se solidarizou com os altos índices de suicídio – queremos também manter uma boa convivência com os evangélicos. Somos todos parceiros pela vida, e estamos juntos na luta contra a violência”, ressalta. A reportagem tentou contato com o vereador Flávio Vicente, mas o celular dele estava desligado. A assessoria afirmou que o parlamentar apenas atendeu o pedido do pastor Nilton Tuller ao encaminhar o projeto para Câmara, sem intenção de criar qualquer polêmica. Rubia Pimenta | O Diário No Blog do Esmael

O medo da Veja

Eu li o artigo da Veja, e só tenho uma observação: a Veja quer enterrar a CPI, custe o que custar. O caso Cachoeira pega diretamente o senador Demóstenes Torres (DEM/Goiás), o governador Marconi Pirilo (PSDB/Goiás), o deputado Carlos Alberto Leréia (PSDB/GO) e o editor-chefe da revista Veja, Policarpo Jr. A primeira reação da mídia, diante do escândalo, foi tentar envolver todo mundo: Agnelo (PT/DF), Protógenes (PCdoB/SP), e a construtora Delta -- que, segundo a imprensa, "faz negócios com o Governo Federal" -- convenientemente omitindo o fato de que a Delta faz negócios com todas as esferas do governo, em diversos estados, inclusive São Paulo!!! Notícias recentes da Folha, do Estadão, e da Globo, dizem que a CPI preocupa a Dilma e setores do PT; quando os mais preocupados, obviamente, devem ser o DEM e o PSDB. Mas vamos assumir que as acusações sejam verdadeiras, e que Agnelo, Protógenes, e o próprio Governo Federal estejam envolvidos no escândalo. Este seria, sem dúvida nenhuma, o maior escândalo da história recente do país. Maior do que o mensalão, que segundo a Veja foi "o maior escândalo de corrupção da história do país". A Veja não quer investigação, e usa todos os artifícios que têm à sua disposição para isso: apela para a PT-fobia, para o "risco para a liberdade de expressão", para a imagem de Hitler e Mussolini... nenhum recurso é deixado de lado no objetivo de demonstrar, por A+B, que a CPI será péssima para o Brasil. Vamos a alguns trechos do artigo (em negrito, intercalado com meus comentários): "Com o julgamento do mensalão pelo Supremo a caminho, os petistas lançam uma desesperada ofensiva para tentar desviar a atenção dos crimes cometidos por eles no que foi o maior escândalo de corrupção da história brasileira" Mas quem está fazendo "uma desesperada ofensiva para desviar a atenção dos crimes cometidos" é a própria Veja. (Apenas como exemplo, além dos mais de 200 telefonemas entre Policarpo e Cachoeira, agora temos evidências de que a gravação do Hotel Nahoum -- naquela fatídica capa contra "o poderoso chefão" José Dirceu -- foi feita pelo bicheiro.) E a Veja continua, dizendo que "o PT espera desmoralizar na CPI todos que considera pessoal ou institucionalmente responsáveis pela apuração e divulgação dos crimes cometidos pelos correlegionários no mensalão — em especial a imprensa." A imprensa não precisa do PT para se desmoralizar. Ela tem feito isso por conta própria. "Esse truque funcionou na União Soviética, funcionou na Alemanha nazista, funcionou na Itália fascista de Mussolini, por que não funcionaria no Brasil?". E responde: "Bem, ao contrário dos laboratórios sociais totalitários tão admirados por petistas, o Brasil é uma democracia, tem uma imprensa livre e vigilante" O Brasil é uma democracia, e a liberdade de imprensa não está sob ameaça. Qualquer um pode escrever o que quiser, e sites na internet começam a dar furos em tempo real -- antes mesmo que as revistas possam chegar às mãos dos assinantes. Isso não significa que a imprensa possa se associar ao crime, ocultar a existência de uma quadrilha por 8 anos em troca de informações privilegiadas, obtidas de maneira ilegal, e promover membros desta quadrilha a "mosqueteiros da ética". O delírio prossegue: "Uma CPI dominada pelo PT e seus mais retrógrados e despudorados aliados é o melhor instrumento de que a falconaria petista poderia dispor — pelo menos na impossibilidade, certamente temporária para os falcões, de suprimir logo a imprensa livre, o Judiciário independente e o Parlamento." Aqui a Veja deixa bem claro -- na sua opinião, a CPI é um instrumento para suprimir a imprensa livre, o judiciário independente, e o parlamento. É um instrumento para transformar o Brasil em um ditadura. É uma simplificação grosseira -- como outras que aparecem no artigo -- com o objetivo de causar um mal-estar com relação à CPI. A essa altura o leitor típico de Veja deve estar pensando: "esta CPI é um perigo!" "Enquanto o triunfo final não vem, os falcões petistas vão se contentar em usar a CPI para desmoralizar todos os personagens e forças que ousem se colocar no caminho da marcha arrasadora da história, que vai lançar ao lixo todos os que atacaram o PT e, principalmente, seu maior líder, o ex-presidente Lula." O mais curioso, de acordo com a tortuosa lógica da Veja, é que -- mesmo que a rede de corrupção de Carlinhos Cachoeira seja "suprapartidária", isto é, envolva diretamente o PT -- esta CPI seria de interesse do partido. "Lula viu na CPI a oportunidade política de mostrar que todos os partidos pecam. Que todos são farinha do mesmo saco e, por isso mesmo, o mensalão não seria um esquema de corrupção inaudito, muito menos merecedor de um rigor maior por parte do Judiciário e da sociedade. Para os petistas, apagar a história neste momento é uma questão de sobrevivência." Questão de sobrevivência? A presidenta Dilma tem o maior índice de aprovação de toda a história do país, superando até mesmo o Lula; a oposição está desorientada; a própria Veja diz que o PT estaria caminhando rumo ao poder absoluto. Por que esta seria uma "questão de sobrevivência"? O artigo da Veja não consegue manter-se auto-coerente; a única coisa que está perto de se extinguir é a credibilidade da revista. "É tamanha a ânsia de Lula e dos mensaleiros para enterrar o escândalo que, se preciso, o PT rifará o governador do Distrito Federal, o petista Agnelo Queiroz, que também aparece no arco de influência dos trambiques da máfia do jogo." É tamanha a ânsia da Veja para enterrar a CPI que, se preciso, deixará o petista Agnelo Queiroz livre, junto com Cachoeira, Demóstenes, Pirilo, Leréia, e, é claro, o editor-chefe da revista, Policarpo Jr. Para defender Policarpo, sem citar o seu nome, a revista diz: "A oportunidade liberticida que apareceu agora no horizonte político é tentar igualar repórteres que tiveram Carlos Cachoeira como fonte de informações relevantes e verdadeiras com políticos e outras autoridades que formaram com o contraventor associações destinadas a fraudar o Erário." É uma simplificação grosseira. Policarpo Jr. fez muito mais do que apenas usar Carlos Cachoeira como fonte. Ele usou e foi usado. Durante mais de 8 anos, em mais de 200 telefonemas gravados e reuniões presenciais, Policarpo Jr ajudou a promover os interesses da quadrilha, enquanto a quadrilha satisfazia os interesses da Veja. A Veja sabia das relações de Demóstenes com Carlinhos Cachoeira, e nunca falou nada. Ou melhor: enalteceu Demóstenes, chegando ao ponto de dizer que ele era um dos "mosqueteiros da ética" do senado. A Veja também ajudou a melar uma CPI contra Cachoeira em 2004. Em troca, Cachoeira foi responsável por inúmeros "furos" da revista, em gravações ilegais que envolviam terceiros. Mas a Veja prossegue com a seguinte lição sobre a ética jornalística: "Os petistas acham que atacar o mensageiro vai diminuir o impacto da mensagem. Pelo que disse Marco Maia, eles vão tentar mostrar que obter informações relevantes, verdadeiras e de interesse nacional lança suspeita sobre um jornalista. Maia não poderia estar mais equivocado. Qualquer repórter iniciante sabe que maus cidadãos podem ser portadores de boas informações. As chances de um repórter obter informações verdadeiras sobre um ato de corrupção com quem participou dele são muito maiores do que com quem nunca esteve envolvido. A ética do jornalista não pode variar conforme a ética da fonte que está lhe dando informações. Isso é básico." Se Cachoeira tivesse feito gravações de suas conversas com Demóstenes e Pirilo, isto estaria dentro da ética jornalística. Mas Cachoeira fez gravações contra terceiros -- pessoas que não estavam envolvidas com eles. Para citar um exemplo, hoje sabemos que as filmagens no Hotel Nahoum foram obra da quadrilha. A reportagem de capa de Veja foi ironicamente intitulada "O Poderoso Chefão". A Veja tinha acesso ao verdadeiro "chefão" -- e nunca falou nada. A Veja teve acesso a todas as informações sobre a máfia de Goiás e nunca denunciou o esquema. Durante 8 anos a Veja usou e foi usada por Carlinhos Cachoeira. E é por isso que estão com medo. Mas não é só isso: "Motivo mesmo para uma CPI seria investigar os milionários repasses de dinheiro público que o governo e suas estatais fazem a notórios achacadores, chantagistas e manipuladores profissionais na internet. Fica a sugestão." A Veja está com medo porque não controla mais a informação. Se a CPI sair, não haverá como filtrar as informações. Viva os blogs sujos! Viva a internet!(por Luis Nassif)

Ligações perigosas.Veja vídeo

Requião tocou o Cachoeira de sua  sala.Lerner contratou com ele.E-mails informam que supostamente Beto Richa o recebeu de braços abertos.

                                                 
                                                                                                                                                                         

Enquanto isso a Bandnews informa que Cachoeira pretendia processar o governo do Paraná:
“Um grupo ligado ao bicheiro Carlinhos Cachoeira pretendia processar o governo do Paraná. Isto por causa do fim do contrato de exploração do serviço de loteria eletrônica. Segundo o próprio grupo um contrato havia sido firmado em 2003 entre o Executivo estadual e uma empresa ligada ao bicheiro, a Larami Diversões e Entretenimento Limitada. Porém um ano depois o então governador Roberto Requião rescindiu o contrato com a empresa. Requião proibiu jogos eletrônicos no estado. Em 2007 a Assembleia Legislativa do Paraná aprovou a extinção do Serviço de Loterias do Estado do Paraná, que gerenciava os jogos. O processo de indenização contra o governo do estado foi descoberto por meio de interceptações de e-mails feitas pela Polícia Federal na operação Monte Carlo. Cachoeira e o empresário argentino Roberto Copolla fazem parte da empresa Larami.”

Charge: 1964 X 64%


Celepar torra R$ 35,7 milhões dos tontos sem licitação

Do Blog do Esmael A Companhia de Informática do Paraná (Celepar), do governo do estado, assinou contrato de inexigibilidade de licitação no valor de R$ 35.763.728,00 com a empresa Aceco Ti Ltda. Traduzindo em português claro: a licitação foi dispensada. Segundo edital publicado no Diário Oficial do Estado, do dia 30 de março de 2012,edição 8683, a Aceco foi contratada para instalar um “Data Center” no Celepar. O curioso é que a mesma empresa foi duramente criticada no ano passado pelo CNJ (Conselho Nacional de Justiça) por conta de um contrato de R$ 8,69 milhões, também celebrado sem licitação, para a aquisição de um mesmo “Data Center”. A seguir, eu reproduzo um e-mail encaminhado ao blog por um especialista em informática questionando o valor que será pago por nós, os tontos dessa história, e a dispensa da licitação. O moço, por motivos óbvios, pede para não ser identificado. “Olá Esmael, tudo bem? Acompanho seu blog e trabalho e gostaria de compartilhar contigo uma dúvida: saiu no Diário Oficial do Estado do Paraná a autorização para contratar empresa que fornecerá ao Celepar um Data Center por mais de R$ 35 milhões. Trabalho com tecnologia faz alguns anos e pelo nosso conhecimento, não existe motivo para esta compra por inexigibilidade sendo que existem empresas concorrentes do mesmo produto no mercado com níveis iguais de certificação ou até melhores. Temos um exemplo no Estado que é o caso do TRT-9, que comprou por menos de R$ 5 milhões uma Sala Cofre Outdoor. A mesmo empresa que deve fornecer ao Celepar por inexigibilidade vende a mesma solução na média de R$ 8 milhões – detalhe, por inexigibilidade. Sabemos que a inexigibilidade deve ser bem justificada… mas o que diz o Celepar dessa compra “no escuro”? Ele pode alegar que a empresa contratada é a única que obtém as certificações da NBR 15247 da ABNT, mas peraí, existem normas internacionais utilizadas por empresas do mercado equivalentes ou melhores. Prezado Esmael, pode parecer uma tempestade em copo d’água, mas garanto para você que será o metro quadrado mais caro que vi até o Governo comprar, considerando que essa sala deve ter uns 250 metros quadrados… Peço apenas que não divulgue meus contatos pois como deve perceber, essa contratação do Governo acorreu sem muita gente saber. Afinal, onde foi divulgado? Quais empresas participaram da tomada de preço? Qual a % dos Paranaenses que lêem o Diário Oficial? Um abraço do LFP (iniciais fictícias)”