quarta-feira, 29 de fevereiro de 2012

Uruguai:ONG serve de base para operação da CIA contra Cuba.

Com fachada de ONG e sob o aval da CIA,funciona o chamado Centro para Abertura e o Desenvolvimento da América Latina (Cadal) com redes na Argentina e no Uruguai,como denunciou o site LaRed21.


Cadal é uma poderosa organização destinada a atacar o status político cubano,segundo o diário argentino Página/12 redesenhou esta quarta-feira (29).


A subsede uruguaiana,com escritório em uma central de Montevidéu,consta entre seus patrocinadores,com o Portal digital do jornal El País e o hotel Boutique Awa,assinalou o site LaRed21.


A fonte também destacou a estreita relação da mencionada entidade com a Agência dos Estados Unidos para o Desenvolvimento Internacional e com a Fundação Nacional para a Democracia,também estadunidense.


Fonte:Prensa Latina
Tradução:da Redação do Vermelho

segunda-feira, 27 de fevereiro de 2012

Joice Hasselmann (rádio BandNews e Blog da Joice) sai da Rede Massa/SBT e vai para a RIC/Record.

                                                                                                                                                                               
A jornalista Hasselmann,da rádio BandNews e do Blog da Joice,saiu da Rede Massa/SBT e vai para a RIC/Record.


Joice vai comandar o jornal matutino PARANÁ NO AR,que será reformulado.Também será a comentarista dos assuntos políticos,econômicos,de interesses geral do cidadão nos principais produtos da emissora,além de integrar a plataforma digital.O vice-presidente executivo do grupo RIC no Paraná,Leonardo Petrelli,afirmou que se inspira no sucesso da BandNews FM para vencer a hegemonia da RPC/Globo.
                                                                    
                                       
                                                                                      
                                                                                                                                  via blog do Tarso

domingo, 26 de fevereiro de 2012

BORIS CASOY Embalado pelo cão...

                    Boris Casoy diz que Lula matou dona da Daslu.
                                                                                                                                                                          


                                                                                                                                 

sábado, 25 de fevereiro de 2012

O caso de Veja...

por Luís Nassif

O maior fenômeno de anti-jornalismo dos últimos anos foi o que ocorreu com a revista Veja.Gradativamente, o maior semanário brasileiro foi se transformando em um pasquim sem compromisso com o jornalismo, recorrendo a ataques desqualificadores contra quem atravessasse seu caminho, envolvendo-se em guerras comerciais e aceitando que suas páginas e sites abrigassem matérias e colunas do mais puro esgoto jornalístico.
Para entender o que se passou com a revista nesse período, é necessário juntar um conjunto de peças.
O primeiro conjunto são as mudanças estruturais que a mídia vem atravessando em todo mundo.
O segundo, a maneira como esses processos se refletiram na crise política brasileira e nas grandes disputas empresariais, a partir do advento dos banqueiros de negócio que sobem à cena política e econômica na última década..
A terceira, as características específicas da revista Veja, e as mudanças pelas quais passou nos últimos anos.

O estilo neocon

De um lado há fenômenos gerais que modificaram profundamente a imprensa mundial nos últimos anos. A linguagem ofensiva, herança dos “neocons” americanos, foi adotada por parte da imprensa brasileira como se fosse a última moda.
Durante todos os anos 90, Veja havia desenvolvido um estilo jornalístico onde campeavam alusões a defeitos físicos, agressões e manipulação de declarações de fonte. Quando o estilo “neocon” ganhou espaço nos EUA, não foi difícil à revista radicalizar seu próprio estilo.
Um segundo fenômeno desse período foi a identificação de uma profunda antipatia da chamada classe média mídiatica em relação ao governo Lula, fruto dos escândalos do “mensalão”, do deslumbramento inicial dos petistas que ascenderam ao poder, agravado por um forte preconceito de classe. Esse sentimento combinava com a catarse proporcionada pelo estilo “neocon”. Outros colunistas utilizaram com talento – como Arnaldo Jabor -, nenhum com a fúria grosseira com que Veja enveredou pelos novos caminhos jornalísticos.

O jornalismo e os negócios

Outro fenômeno recorrente – esse ainda nos anos 90 -- foi o da terceirização das denúncias e o uso de notas como ferramenta para disputas empresariais e jurídicas. 
A marketinização da notícia, a falta de estrutura e de talento para a reportagem tornaram muitos jornalistas meros receptadores de dossiês preparados por lobistas. 
Ao longo de toda a década, esse tipo de jogo criou uma promiscuidade perigosa entre jornalistas e lobistas. Havia um círculo férreo, que afetou em muitos as revistas semanais. E um personagem que passou a cumprir, nas redações, o papel sujo antes desempenhado pelos repórteres policiais: os chamados repórteres de dossiês.
Consistia no seguinte:
O lobista procurava o repórter com um dossiê que interessava para seus negócios.
O jornalista levava a matéria à direção, e, com a repercussão da denúncia ganhava status profissional.
Com esse status ele ganhava liberdade para novas denúncias. E aí passava a entrar no mundo de interesses do lobista.
O caso mais exemplar ocorreu na própria Veja, com o lobista APS (Alexandre Paes Santos).
 
Durante muito tempo abasteceu a revista com escândalos. Tempos depois, a Policia Federal deu uma batida em seu escritório e apreendeu uma agenda com telefones de muitos políticos. Resultou em uma capa escandalosa na própria Veja em 24 de janeiro de 2001 (clique aqui ) em que se acusavam desde assessores do Ministro da Saúde José Serra de tentar achacar o presidente da Novartis, até o banqueiro Daniel Dantas e o empresário Nelson Tanure de atuarem através do lobista.
Na edição seguinte, todos os envolvidos na capa enviaram cartas negando os episódios mencionados. Foram publicadas sem que fossem contestadas.
O que a matéria deixou de relatar é que, na agenda do lobista, aparecia o nome de uma editora da revista - a mesma que publicara as maiores denúncias fornecidas por ele. A informação acabou vazando através do Correio Braziliense, em matéria dos repórteres Ugo Brafa e Ricardo Leopoldo.
A editora foi demitida no dia 9 de novembro, mas só após o escândalo ter se tornado público.
Antes disso, em 27 de junho de 2001(clique aqui ) Veja publicou uma capa com a transcrição de grampos envolvendo Nelson Tanure. Um dos “grampeados” era o jornalista Ricardo Boechat. O grampo chegou à revista através de lobistas e custou o emprego de Boechat, apesar de não ter revelado nenhuma irregularidade de sua parte.
Graças ao escândalo, o editor responsável pela matéria ganhou prestígio profissional na editora e foi nomeado diretor da revista Exame. Tempos depois foi afastado, após a Abril ter descoberto que a revista passou a ser utilizada para notas que não seguiam critérios estritamente jornalísticos.
Um dos boxes da matéria falava sobre as relações entre jornalismo e judiciário.
 
O boxe refletia, com exatidão, as relações que, anos depois, juntariam Dantas e a revista, sob nova direção: notas plantadas servindo como ferramenta para guerras empresariais, policiais e disputas jurídicas.
 Próximo capítulo: "A mudança de comando"

BLOG DA DILMA: Boris Casoy e o CCC, segundo a revista “O Cruzeiro...

BLOG DA DILMA: Boris Casoy e o CCC, segundo a revista “O Cruzeiro...: Via Cloaca News Recordar é viver. Reproduzimos, na íntegra, a reportagem da finada revista O Cruzeiro , de 9 de novembro...

quarta-feira, 22 de fevereiro de 2012

Generais de pijama defendem torturadores.Erundina neles!

Veja aqui o que o Partido da Imprensa golpista (PIG) não mostra!
                                                                                         
Erundina e Fábio Comparato são a 1/2 que 
faltar saiu na Folha:


Dilma é alvo de militares por opinião de ministras.

Nota foi publicada após frases sobre ditadura.

De Brasília.

Em nota conjunta,clubes das três Forças Armadas,que representam militares fora da ativa,criticaram a presidente Dilma Rousseff por ela não ter demonstrado "desacordo" em relação às declarações de ministras e do PT sobre a ditadura (1964-1985).

Segundo o texto,do dia 16,"ao completar o primeiro ano de mandato,paulatinamente vê-se a presidente afastando-se das premissas por ela mesma estipuladas" no início de seu governo,quando Dilma disse que não haveria" discriminação,privilégio e compadrio" em sua gestão.

A nota,antecipada ontem pelo "Estado de São Paulo",cita três declarações.A da ministra Maria do Rosário (Direitos Humanos) ao "Correio Brasiliense",segundo a qual a Comissão da Verdade pode levar a responsabilização criminal de agentes públicos,a despeito da Lei da Anistia.

Outro alvo dos clubes foi a ministra das Mulheres,Eleonora Menicucci,que "teceu críticas exacerbadas aos governos militares e,se autoelogiando,,ressaltou o fato de ter lutado pela democracia".

Sintonia Fina
-Conversa Afiada    

terça-feira, 21 de fevereiro de 2012

Celepar vai terceirizar atividade-fim novamente.Privatização para fuga de concurso público e precarização.

                    Governador Beto Richa (PSDB) e Presidente do Conselho de Administração da Celepar,Cássio Taniguchi (DEMO).


Dia 23 de fevereiro de 2012,próxima quinta-feira,13h45min,a Companhia de Informática do Paraná-Celepar-vai abrir a licitação na modalidade Pregão Presencial 02/2012,para contratação,em 3 lotes,de empresas para o fornecimento de solução integrada hardware e software;áudio,vídeo e automação para montagem de Salas de Situação,compreendendo serviços de instalação,ativação,suporte técnico e garantias,que poderá custar para os cofres públicos mais de R$ 3 milhões (valor máximo de R$ 3.035.870,00).


Além de serem serviços de atividades-fim da Celepar,fontes internas da Companhia informam que vários dos serviços a serem contratados poderiam ser executados pela própria Celepar.


Isso se chama:privatização de serviços para precarização de empresa e tentativa de fuga de concurso público.


via blog do Tarso 

TV Globo dançou no Carnaval...

Por Altamiro Borges


Apesar de toda a parafernália,a audiência da TV Globo despencou no Carnaval.
Segundo o Ibope,a emissora registrou uma das piores quedas dos últimos anos.Na primeira noite do desfile das escolas de samba no Rio de Janeiro,no domingo (19),ela perdeu 20% da audiência,na comparação com 2011.Na média,ela marcou 8,3 pontos no Ibope da grande São Paulo.


A queda da audiência da emissora na transmissão do Carnaval vem se acentuando a cada ano.Em 2011,ela registrou 10,4 potos;em 2010,a média foi de 10,9;já em 2009,ela atingiu 12,5 pontos no Ibope.A decadência têm várias causas.A principal parece ser a do aumento da concorrência.O programa Domingo Espetacular,comandado pelo jornalista Paulo Henrique Amorim na TV Record,marcou 15 pontos no Ibope dàs 21h às 23h32 do dia 19.


Outra explicação é a da perda de criatividade da TV Globo.Todo ano é a mesma batida,numa mesmice que incomoda os telespectadores.Há também o fator internet,com milhões de pessoas fugindo da chatice da televisão.Lógico que nada disso deve incomodar muito o império global.Afinal,ele continua ganhando fortunas com a publicidade aberta e o merchandising enrustido,nos desfiles.Mas um dia a casa pode cair!

A Revolução não será televisionada-O golpe na Venezuela.


Em abril de 2002, na Venezuela, após uma série de ataques da mídia local, o presidente Hugo Chávez sofre um golpe e é sequestrado. Uma equipe de TV da Irlanda estava no país desde setembro de 2001, para realizar um documentário sobre o presidente e sua administração popular. Kim Bartley e Donnacha O’Briain, ao perceberem a movimentação política do país, registraram as manifestações, pró e contra, que culminaram no golpe. Esses registros, com imagens inclusive do interior do palácio, se tornaram o documentário “A Revolução não será televisionada”, lançado em 2003.
A elite venezuelana estava insatisfeita com a administração de Chávez, pois essa reduziu as suas regalias. A mídia, principalmente televisiva, noticiava, mentirosamente, fatos contra o presidente, inclusive que Chavistas teriam assassinado várias pessoas em um protesto. Nos dias do golpe, foi divulgado que presidente renunciou, o que era mentira. A TV omitiu o fato de que Chávez não assinou a renúncia e que ele somente se entregou aos golpistas sob a ameaça de o palácio presidencial ser bombardeado por militares contrários ao regime Bolivariano. Naquele momento era impossível que a verdade chegasse ao povo, pois os canais que apoiavam Chávez sofreram sabotagem técnica e ficaram fora do ar. Assumiu, com o apoio da mídia e com toda a arrogância, Pedro Carmona, destituindo os poderes até então constituídos.
Chama a atenção, também, uma transmissão de TV, nas primeiras horas pós-golpe, em que, imaginando já terem ganhado a “guerra”, uma pessoa agradece as cinco redes de TV comerciais, nome por nome, que ajudaram na conquista daquele “final feliz”, para as elites, claro. Quanto ao destino de Chávez e os movimentos populares em apoio ao presidente, as emissoras literalmente se calaram. Ao contrário, elas insistiam no sucesso do golpe a “vendiam” a imagem da paz a partir daquele momento.
Porém, algumas pessoas tiveram acesso às notícias de outros países e descobriram que o que aconteceu de verdade, é que o presidente foi sequestrado. A informação logo se espalhou e o povo saiu em protesto até o palácio presidencial. Milhares de manifestantes pressionaram e, após uma reação dos militares Chavistas que guardavam o palácio, os golpistas foram presos. Em seguida, o canal estatal voltou ao ar e, como Chávez não chegou a assinar a renúncia, foi transmitida a posse do seu sucessor, segundo a Constituição Federal, o presidente da Câmara dos Deputados.
O documentário aborda esses fatos com muita maestria. Ele mostra os acontecimentos de forma cronológica e aborda o poder manipulante da mídia, desmentindo as montagens e edições feitas nas filmagens da TV comercial. São apresentadas as declarações de jornalistas contra Chávez, que se provaram mentirosas. Claramente, fica demonstrada a relação da imprensa local com a elite econômica do país. “A revolução não será televisionada” usa, inclusive, ironia comparando o que os oposicionistas afirmavam, com a verdade. Percebe-se, com as declarações transmitidas pelas cinco redes comerciais, que Hugo Chávez não censurava a imprensa, pelo contrário, eram faladas coisas terríveis, agressivas e mentirosas.
O vídeo incluiu entrevistas com a população, tanto favoráveis ao presidente, como contra. Essa abordagem das entrevistas, sem dúvidas, conferiu maior credibilidade ao documentário. É mostrada, também, uma cena que chega a ser cômica: A equipe de Carmona, antes arrogante, presa no interior do palácio Miraflores. Demonstrando os ideais obscuros dos golpistas, o documentário mostra o cofre do palácio esvaziado.
Fica explicado no vídeo, porque Hugo Chávez passou a se preocupar com as comunicações, criando emissoras estatais e não renovando a concessão da RCTV (Comparativamente a Rede Globo da Venezuela, à época), após a apresentação da fala de seu Ministro do Desenvolvimento: “os adversários eram muito poderosos e não deu tempo... Não organizamos uma política de comunicações”. Em meio ao desânimo de sua equipe de governo, Chávez aparenta acreditar realmente que voltaria ao governo. A força do povo fez com que ele realmente voltasse ainda mais fortalecido.
O documentário não é amplamente distribuído e foi exibido no Brasil pela TV Câmara.
Ficha técnica
Gênero: Documentário
Data: 2003
País: Irlanda
Filmado e dirigido por: Kim Bartley e Donnacha O'Briain
Produzido por: Power Picture associada à Agencia de Cinema da Irlanda.
Edição: Angel H. Zoido
Produtor Executivo: Rod Stonemann
Produzido por: David Power
Duração:74 minutos

Festa em homenagem a criador de 'Chaves' reúne milhares no México.

Milhares de pessoas se reuniram no centro da cidade do México no domingo para homenagear Gómez Bolanõs,o ator e criador de personagens como Chaves,Chapolin e muitos outros.
Os fãs foram fantasiados e participaram de coreografias imitando as danças dos personagens criados por Bolanõs e fecharam várias ruas do centro da capital mexicana.
Vários outros eventos para homenagear os mais de 40 anos de carreira artística de Bolanõs-que completa 83 anos em 21 de fevereiro-já foram programados,incluindo um no Auditório Nacional,na cidade do México,no final de fevereiro.
Em março,uma outra homenagem será transmitida pelo canal Televisiva do México,para vários países.
Na homenagem de domingo,os organizadores esperavam cerca de 10 mil participantes,mas,segundo eles,22 mil pessoas participaram da festa.



            

            

            

            

            

            

       

            

        




domingo, 19 de fevereiro de 2012

Enquanto Beto Richa pula o carnaval em Salvador,a Sanepar aumenta a tarifa da água em 16,5%.

                                                                                                                                                                             
Apenas lembro que um dos diretores da Sanepar,que recebe mais de R$ 25 mil por mês,escolhido por Beto Richa (PSDB),é Ezequias Moreira Rodrigues (diretor de relações com investidores da Sanepar).Moreira é ex-chefe de gabinete de Beto Richa e esteve envolvido no  escândalo que ficou conhecido como "Sogra Fantasma"  (sogra de Ezequias,Verônica Durval,recebeu sem trabalhar durante 11 anos).


Veja matéria sobre o aumento da Sanepar no  Blog do Esmael.


                       Beto e Ezequias                            
                                                                  
    via blog do Tarso          

sábado, 18 de fevereiro de 2012

Ficha Suja no Paraná:Abelardo Lupion-DEM.

FICHA SUJA NO PARANÁ

ABELARDO LUPION - DEM

Acusações: Sonegação fiscal, transação econômica fraudulenta e prejudicial ao Patrimônio Público, Caixa 2 nas Eleições de 1998.
Inquéritos : 1872 - STF

http://www.mst.org.br/node/2590
http://www.cptpe.org.br/?name=News&file=print&sid=172
http://g1.globo.com/Noticias/Politica/0,,MUL2700-5601,00.html
FICHA SUJA NO PARANÁ




Brasil segue o bom enredo do crescimento com mais emprego e renda.

O IBGE divulgou em sua pesquisa mensal de desemprego que o mês de janeiro de 2012 registrou a menor taxa de desocupação desde a nova metodologia que foi implantada em março de 2011.


O índice registrado foi e 5,5%,0,8 p.p. acima de dezembro,avanço normal,mas 0,6 p.p abaixo do recorde anterior para o mês,alcançado em janeiro passado.


Não só isso:a renda do trabalhador cresceu,pois o rendimento médio chegou a R$ 1.672,20,o valor mais alto para o mês de janeiro desde março de 2002.


Em recente matéria publicada no Jornal do Brasil,foi analisada a situação do país pós crise econômica de 2009 para cá.


Apesar da matéria ajuizada que a crise atingiu seriamente o país em determinado período,mais especificamente em 2009,Lula estava correto:o tsunami que ainda varre as economias do velho mundo e dos Estados Unidos,foi apenas uma marolinha por aqui.


Os dados que são,sucessivamente,divulgados que demonstram avanço do emprego,da renda e das condições sócio-econômicas da população brasileira,são pessoas cabais do caminho certo que o governo vai trilhando.    

sexta-feira, 17 de fevereiro de 2012

Enquanto ocorre greve da Polícia Civil e PM ameaça,Beto Richa já foi ontem curtir o carnaval em Salvador com a 1ª Dama.

O governador do Estado do Paraná,Beto Richa (PSDB),desde ontem,quinta-feira (16),está em Salvador para pular o carnaval com a primeira-dama-secretária Fernanda Richa e o filho caçula.

Seus opositores dizem que enquanto ele festeja os paranaenses vão ter que se virar com a greve da Polícia Civil e possível greve da Polícia Militar.Além disso ele matou o trabalho de parte de quinta-feira e toda sexta-feira.

Seus defensores dizem que o casal real do Paraná foi com dinheiro próprio e que Beto vai aprender a lidar com a greve com o governador da Bahia,Jaques Wagner (PT).
                                                                                                                     
                                                                                                           
                                                                                                                                                                      
via blog do Tarso

Neste carnaval,beba com contrrrole...


Fichas Sujas da Assembléia Legislativa do PR.

-Ademir Bier (PMDB/PR)

-Antônio Belinati (PP/PR)

-CIDA BORGHTTI (PP/PR)

-Dobradino Gustavo da Silva (PMDB/PR)

-DR.BATISTA (PMN/PR)

-Durval Amaral (DEM/PR)

-Jocelito Canto (PTB/PR)

-Luiz Claudio Romanelli (PMDB/PR)

-Nereu Moura (PMDB/PR)

-Pastor Edson Praczyk (PRB/PR)

-Teruo Kato (PMDB/PR)

-Waldyr Pugliesi (PMDB/PR)


Acesse o site:

 A fonte é do site Transparência Brasil

Dilma 'sai da sombra de Lula',avalia 'The Economist'.

                   Revista diz que presidente impõe cada vez mais o seu estilo pessoal ao governo.
       Rio-A presidente Dilma Rousseff,após um ano de mandato,sai da "sombra" de seu antecessor,Luiz Inácio Lula da Silva,e impõe cada vez mais o seu estilo pessoal ao governo brasileiro.Esta é a conclusão de um artigo publicado nesta sexta-feira pela revista britânica "The Economist".O texto cita as demissões de sete ministros acusados de desvios éticos como uma mudança de postura do governo petista.


"Em um ano de mandato,o governo Dilma mostra que é firme em seus princípios.É mais técnico,leal e,de longe,mais feminino do que foi o de Lula".


Com o Título "Sendo ela mesma",a publicação é acompanhada de uma charge em que a presidente é ilustrada dirigindo um ônibus e entrando na rua "Dilma's Way" (caminho de Dilma).Políticos caem pela janela do ônibus e Lula aparece assutado na calçada,ao lado do veículo.


A revista avalia que " maioria das sucessões ministeriais anunciadas pelo governo foi feito por escolha pessoal".Mas ressalta que o pragmatismo prevaleceu em algumas situações.A troca de Mário Negromonte do Ministério das Cidades por Agnaldo Ribeiro é um exemplo citado como exceção,já que a indicação foi feita pelo PP.


As indicações de Maria das Graças Foster para presidência da Petrobras e de Marco Antônio Raupp para o Ministério da Ciência e Tecnologia são avaliadas como técnicas e de gosto pessoal da presidente.A nomeação de Eleonora Menicucci para a Secretaria de Políticas para as Mulheres também é citada como exemplo de independência de Dilma.Companheira de cela da presidente durante o regime militar,a ministra tem sofrido críticas por ser defensora do aborto.


A aprovação de 59% de Dilma é citada como um ponto positivo para a tranquilidade do governo,bem como a maioria folgada no Congresso.


Via Contexto Livre

quarta-feira, 15 de fevereiro de 2012

TJ suspende o tarifaço de Beto Richa no Detran.O governador ficou indignado e vai recorrer.

                                                                                                                                                                           
O desembargador Antônio Martelozzo,do Tribunal de Justiça do Paraná,suspendeu liminarmente a lei estadual que reajustou as taxas do Detran em até 271% (o famoso "tarifaço"), após um pedido de Ação Direta de Inconstitucionalidade-Adin-formulada por deputados estaduais da oposição:Antônio Anibelli Neto (PMDB) e os petistas Elton Welter,Enio Verri,Luciana Rafagnin,Péricles de Mello,Professor Lemos,Tadeu Veneri e Toninho Wandscheer.


Segundo Martelozzo a lei contém "indícios de autorização legal de verdadeira arbitrariedade,ao conferirem-se poderes irrestritos ao Governador do Estado para dispor de fundos arrecadados com a  cobrança das taxas do Detran-PR,as quais devem,por determinação constitucional,ser orientados tão somente a viabilizar a manutenção do serviço" e o parecer do Ministério Público do Paraná,do Subprocurador-geral de Justiça,Lineu Walter Kichner,argumentou que a destinação de recursos do Detran para a segurança pública" colide com princípios constitucionais e administrativos primários,tratando-se de autêntico cheque em branco conferindo ao chefe do Poder Executivo,com alto potencial para produzir danos irreparáveis à qualidade dos serviços públicos prestados pelo Detran-PR e,principalmente,à própria credibilidade que o contribuinte deve depositar no poder público",nos termos  Gazeta do Povo.


A assessoria de Beto Richa já informou que o governo vai lutar pelo tarifaço até o fim,numa clara posição de arrecadar cada vez mais em cima do cidadão paranaense.


E a população começa a ficar indignada com o governador,que apenas quer arrecadar e continuar com seu governo paralisado.


Agora veja a bajulação do jornal O Diário do Norte do Paraná,no "Cantinho da Promoção" (coluna DIA A DIA do Edson Lima),edição de quarta-feira (15):


"Complicado:Isso complicaria a intenção de Beto Richa em aparelhar melhor as polícias Militar e Civil,bem como contratar policiais como prometeu".


"Insegurança total:Richa tem razão:a insegurança é a maior preocupação do povo paranaense.Nada melhor do que investir no setor.O Detran já tem muito dinheiro".




O jornal O Diário do Norte do Paraná tem tudo de tucano,só falta asas para sair voando até seus assinantes!    

Os 10 golpistas do PIG...

                        A elite reacionária da imprensa brasileira!

Manual de redação:10 regras da "grande imprensa" ao abordar movimentos sociais.

Adital em 24/3/2009, nunca esteve tão atual. Lido noQuarto Poder.
Convenções básicas: quem não cumprir está sujeito à demissão.
1ª) Toda ocupação de terra deve ser chamada de invasão
Em vez de usar o termo adotado pelos movimentos sociais, “ocupação” – manifestação de pressão para o cumprimento da Constituição pelo Estado e denúncia da existência de latifúndios –, é mais eficiente para o objetivo de defesa do princípio da propriedade privada a utilização da palavra “invasão” – tomar para si pela força algo que não lhe pertence.
Dessa maneira, implicitamente, estamos dizendo que discordamos dessa prática e a consideramos ilegal, e conseguimos gerar a sensação de pânico generalizado em todos os donos de propriedade, sejam elas rurais e produtivas, ou até mesmo propriedades urbanas.
Observação: essa regra não é generalizável. Para os casos em que os Estados Unidos invadem países, destroem a infraestrutura e matam a população, deve-se utilizar o termo “ocupação”.
2ª) Regra do efeito dominó: fale só do maior para bater em todos
O acordo da grande imprensa é manter somente o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra (MST) na pauta dos noticiários, e evitar sempre que possível falar da existência de outros movimentos sociais. Para isso, quando se tratar de movimentos do campo, basta usar sempre a expressão genérica “movimento dos sem-terra”, ou falar dos “sem-terra”, sem mais detalhes.

Se a pauta exigir o detalhamento do movimento, recomenda-se associá-lo sempre ao alvo principal, com expressões como “movimento dissidente do MST”.

Essa regra ainda colabora para a desunião entre os movimentos, pois os menores se incomodam pela invisibilidade e pelo fato de terem suas ações relacionadas sempre ao MST.

3ª) Reforma agrária deve ser tratada como questão de polícia
Movimentos sociais e reforma agrária devem, sempre que possível, ser tratados na página policial, no caso de jornais impressos, e no bloco do crime e dos desastres, no caso dos telejornais.

Caso não seja possível enquadrá-los na seção policial ou em espaço próximo, use títulos para editorias que lembrem o belicismo, como “campo minado”. Não importa o que diga sua matéria, os títulos devem falar por ela, mesmo que não tenham relação com o conteúdo. Use tons sensacionalistas e fatalistas.

4ª) Nunca divulgue os artigos progressistas da Constituição Federal
Os artigos da Constituição Federal que tratam da função social da terra, que integram o código agrário – 184 a 191 –, nunca devem ser mencionados em reportagens sobre os movimentos sociais, para evitar a compreensão de que a ação de invasão de terras pode ter algum respaldo legal.

É sempre recomendável lembrar da Lei de Segurança Nacional e da necessidade de uma legislação contra o terrorismo no Brasil. O termo “Estado de Direito” é ideal para isso. Considere qualquer manifestação uma afronta ao Estado de Direito, mesmo que ele seja apenas o Direito do Estado.

Se falar do Estado de Direito e suprimir os artigos progressistas da Constituição não for suficiente, convém colocar as reportagens próximas à cobertura de ações terroristas ou levantar a suspeita de que há relação do movimento social com uma organização terrorista ou guerrilheira estrangeira.

Conjunto de regras para serem selecionadas e aplicadas conforme a conjuntura exigir:

5ª) Levante a bola para o oportunista de plantão
Não é verdade que o papel da imprensa é apurar a verdade dos fatos. Todo aspirante deve saber que a imprensa tem poder para gerar os fatos.

Além disso, apurar fatos implica sair de sua cadeira e nem todos eles podem ser apurados por telefone. Basta fazer uma reportagem suspeitando de algo e procurar um oportunista que queira protagonizar a indignação pública para a suspeita ganhar dimensão de notícia.

Sempre há alguém à disposição esperando para se deslumbrar com as luzes dos holofotes. O exemplo bem-sucedido mais recente foi o caso da requentada pauta da suspeita da legalidade do financiamento público para cooperativas da reforma agrária, em que o presidente do Superior Tribunal Federal (STF) desempenhou o papel de porta-voz da bancada ruralista, dando respaldo para a suspeita, e de quebra, aproveitando para atacar o governo federal.

Se não houver ninguém do Judiciário ou algum deputado, não importa, qualquer um, sem nunca ter ido a um assentamento ou acampamento pode ser transformado em “especialista” em questão agrária: sociólogos, filósofos e até jornalistas.

6ª) Nem sempre devemos apurar os dois lados da notícia
Quando já conseguimos incutir um pré-julgamento na opinião pública sobre o caráter marginal das ações dos movimentos sociais, podemos reforçar essa opinião entrevistando somente o lado agredido pelas ações, as vítimas dos movimentos. Fica implícita a informação de que, como os integrantes dos movimentos são foras da lei, quem deve escutá-los é a polícia e o Poder Judiciário. Se ainda assim tiver de ouvi-los, seja breve e descontextualize a frase.

7º) Não deve existir noção de historicidade, nem de causa e consequência em nossas reportagens
Não abordar as razões da ação dos movimentos sociais, evitar a divulgação da nota à imprensa. Não importa há quanto tempo às famílias estejam acampadas, quais promessas foram feitas pelo governo, se a terra é do banqueiro que saqueou os cofres públicos ou do coronel que vive do trabalho escravo. Se detenha nas consequências da ação.

8°) Dramatização da repercussão das ações dos movimentos sociais
Retire o foco das motivações estruturais e causas históricas e centre a abordagem nas consequências para os indivíduos donos ou empregados das propriedades invadidas ou atacadas.

● fale do prejuízo econômico para o proprietário e se possível faça uma entrevista com o mesmo ou com um familiar próximo para mostrar a comoção da família diante do ataque bárbaro. É importante mostrar o estado de choque emocional, e o ideal é que a pessoa esteja chorando.

● surte grande efeito a entrevista com trabalhadores da fazenda ou da empresa. O maior exemplo é o caso da ação no horto da multinacional Aracruz no Rio Grande do Sul, em que uma técnica de laboratório se fez passar por pesquisadora e, em prantos (!), afirmou que a destruição das mudas de eucalipto acabou com mais de vinte anos pesquisa.

Nesse caso, as reportagens conseguiram colocar os movimentos sociais como contrários à ciência e ao desenvolvimento tecnológico, evitando a pauta concreta da ação, que se centrava na expansão ilegal das terras da empresa e na depredação da natureza com o monocultivo de eucalipto.

9ª) Campanha de desmoralização permanente dos movimentos sociais
É sempre bom manter semanalmente pautas de desgaste aos movimentos sociais, mesmo que não haja uma ação que renda manchete. Nesses casos, a regra é trabalhar com associação, encaixando uma reportagem que fale sobre um movimento após ou entre matérias que falem, por exemplo, de casos de corrupção no Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), venda de terra e desmatamento em assentamentos da Amazônia Legal etc.

Bata nas mesmas teclas, insista nas mesmas teses permanentemente, mesmo que elas já tenham sido usadas antes. Insista, por exemplo, que o MST irá romper com o governo Lula desta vez, mesmo que o movimento afirme e demonstre desde o primeiro dia de governo que nunca esteve atrelado.

E quando não for possível tomar como alvo os movimentos sociais, vale mirar nas bandeiras de luta deles, alegando estarem ultrapassadas, deslegitimando-as como parte da solução atual para os problemas do País. Nesse caso, pode-se até reconhecer o valor histórico que bandeiras como reforma agrária cumpriram no Brasil e em outros países, mas deve-se usar essa manobra apenas para recusar essas propostas no presente.

10ª) É fundamental saber manipular a dimensão subjetiva do telespectador ou do leitor
Não é apenas com a manipulação dos fatos e com a edição das entrevistas que podemos influenciar na interpretação que os nossos consumidores farão. Na TV, a expressão facial e o tom de voz dos repórteres, dos comentaristas e, sobretudo, dos âncoras é determinante. A adoção do semblante sério e do tom de voz grave deve indicar a importância do tema.

Além da performance dos jornalistas como atores, é recomendável que o pano de fundo do cenário também traga imagens que gerem medo e desconfiança. O exemplo do Jornal Nacional é o mais ilustrativo: para falar da reforma agrária e dos movimentos que lutam por ela: aparece uma cerca rompida e três vultos disformes – “afinal não são pessoas, são sombras” –, empunhando ferramentas de trabalho como se fossem armas.

Gleisi virou a Dilma de Dilma.

Leandro Mazzini informa,na Coluna Esplanada,que a ministra da Casa Civil assumiu de vez a função de gerentona que no governo anterior era da atual presidenta.


Gleisi Hoffmann,a Dilma de Dilma.A chefe da Casa Civil,Gleisi Hoffmann,e tem irritado ministros,que evitam críticas,temerosos de sua reação.
Com carta branca da chefe,Gleisi tem ligado para os colegas,cobrado tarefas e compromissos.
Faz críticas duras e os convoca para reuniões e prestações de contas.Tornou-se também a 'clipadora' da presidente.A ministra lê os jornais todas as manhãs e dispara telefonemas logo cedo para os ministros,em casa ou na Esplanada,inclusive nos fins de semana.Quando é denúncia,então,os ouvidos queimam.


via Congresso em Foco   

segunda-feira, 13 de fevereiro de 2012

Pedágios no Paraná criados por Lerner e mantidos pela Justiça garantem lucro fácil para as concessionárias.

                                                    
                                                                                            

   Reportagem dessa Segunda-feira (13) na  Gazeta do Povo  informa que as concessionárias de pedágio no Paraná,criado pelo governador Jaime Lerner (DEMO),garantem lucro de R$ 206 milhões para as empresas privadas,com arrecadação de R$ 1,42 bilhão.


Nos últimos 14 anos as concessionárias investiram em obras nas estradas apenas R$ 2,65 bilhões,o equivalente ao que elas ganharam somente nos últimos dois anos.


O governo de Roberto Requião (PMDB) tentou diminuir as tarifas do pedágio,mas não conseguiu devido às decisões do Poder Judiciário,normalmente condescendente com o grande capital.


O governador Beto Richa (PSDB) está negociando com as concessionárias,por meio do seu apagado secretário de infra-estrutura Pepe Richa (irmão do governador).
Aumentando a tarifa ou o prazo dos contratos conseguirá que as concessionárias façam mais obras.(?) 

Sindicato vê aumento na tarifa com privatização de terminais de ônibus em Curitiba.

                                                    Novo tarifaço em Curitiba?                                


O presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Urbanização do Estado do Paraná (SINDIURBANO),Valdir Mestriner,afirmou nesta segunda-feira (13) que a privatização dos 22 terminais de ônibus gerenciados pela Urbs poderá acarretar aumento no preço da tarifa.Hoje,a passagem custa R$ 2,50 em Curitiba.


Mestriner disse estranhar que a administração dos terminais seja transferida para empresas privadas,pois,de acordo com ele,"é a função e a razão de existir da Urbs".


O SINDIURBANO questiona o valor de R$ 49 milhões que a licitação prevê,ou seja,aproximadamente R$ 10 milhões por ano ou R$ 813 mil por mês.Atualmente o gasto aproximado para a realização do serviço de manutenção-compra de materiais e pagamento de funcionários-,feito de forma direta pela empresa,não passa de R$ 100 mil por mês,que represente um total de,no máximo,R$ 6 milhões aos cinco anos previstos pela licitação.


Questionado na manhã de hoje sobre possível reajuste na tarifa de ônibus durante o feriado de carnaval,o prefeito Luciano Ducci (PSB),desconversou.Disse que ainda não há estudo acerca do assunto.